fbpx

Saiba como pedir aumento em tempos de crise - Hora de Empreender

Saiba como pedir aumento em tempos de crise
Compartilhe esse conteúdo!

Veja como pedir aumento de salario de uma maneira que seu chefe não vai querer recusar, mesmo estando em tempos de crise na empresa ou na economia mundial.

Se antes desse senário que estamos vivendo hoje, já era difícil conseguir um aumento salarial acompanhado daquela promoção, imagine agora! Mesmo que haja vários seguimentos que estão conseguindo se sobressair perante esse mar de incertezas, muitos ficam retraídos nesse momento, pois entendem que a situação não está tão boa e estar empregado é um privilégio para muitos.  Mas saiba que é possível sim pedir um aumento, desde que o faça da maneira correta, e essa “maneira” indefere da crise economia que estamos passando, é eficaz para qualquer época.

Antes de falar mais sobre isso, temos uma observação a fazer, a sociedade brasileira é hipócrita, e muito! Essa teoria se comprova com o nosso comportamento em relação a nossa gestão financeira pessoal. Quando temos uma conta pra pagar e o vencimento caiu em um sábado e na segunda feira é feriado, queremos utilizar o recurso da “carência do próximo dia útil” para honrar o nosso compromisso somente na terça feira! O empresário que precisa da efetivação daquele pagamento tem que esperar até o próximo dia útil, ou seja, três dias além do previsto, para receber pelo produto ou serviço prestado. Isso é muito comum certo? No entanto, quando o dia do nosso pagamento cai em uma segunda-feira de feriado, não queremos esperar mais um dia para receber no próximo dia útil, mas sim, queremos receber na sexta-feira que antecede o final de semana prolongado! A mesma regra não deveria valer para ambos os casos?

E o que isso tem haver com pedir aumento meus caros?

Tem tudo haver! Já parou para pensar que esse mesmo comportamento, praticamos em outras relações comerciais?

Uma ação muito eficaz utilizado como estratégia de captação e retenção de clientes pelas empresas é a pratica do “overdelivery”, ou seja, entregar para nossos clientes mais do que eles esperavam receber. E nós como clientes, gostamos muito dessa prática, respondemos com reciprocidade e sentimento de gratidão e conforme o esperado, voltando a comprar naquela empresa e ainda indicamos para nossos amigos. Mas já parou para pensar que a empresa que nos contrata, a pessoa que está acima de você na hierarquia da empresa, também é um cliente, do tipo serviço recorrente? Eles pagam seu salario pelo seu serviço prestado! E o hilário é que muitos nem ao menos chegam a honrar com o compromisso firmado no momento da contratação e ainda esperam receber “reconhecimento” por seu trabalho. Para esses indivíduos, vai um alerta, cuidado, o reconhecimento pode realmente vir na proporção dos seus esforços para não honrar o acordo firmado na contratação.

Então a primeira dica para pedir um aumento é, pratique o overdelivery no seu emprego, entregue a mais do que esperam que você faça, não só em quantidade, mas em qualidade também. Foque no seu aperfeiçoamento profissional, especializa-se, assuma responsabilidades além do que foi acordado, busque resolver as dores do seu cliente (a empresa que o contratou), resolvendo problemas que muitas vezes não há tempo para focar na solução e que geralmente causa um grande incomodo no dia a dia.

Quer mais que um simples e modesto aumento? Quer uma promoção? Esse ponto também vale uma observação importante! É comum escutar colegas de trabalho falando “trabalho conforme o que me pagam, e assim, que me derem a promoção, eu trabalharei de acordo com o novo salario”. Será mesmo?

Seja por processo de recrutamento ou promoção interna ou por contratação externa. Já parou para pensar nos riscos que a empresa tem que assumir?

A empresa precisa que alguém assuma um cargo de responsabilidade, para isso, dentro da nossa cultura, ela terá que contratar ou promover alguém que ela não sabe se irá corresponder o mínimo satisfatório necessário. Terá que realizar um investimento de alto risco, pois, por mais que haja um processo de seleção, ela só saberá se irá obter o retorno esperado daquele profissional depois de um tempo, e sem saber com exatidão, quanto tempo será.

Então, em resumo, a empresa tem que pagar para que o profissional aprenda a trabalhar, ela irá pagar antecipado por um resultado que ela espera ter em um futuro próximo, e, enquanto o funcionário do novo cargo está aprendendo, ela está tendo prejuízo, terá que ser ou colocar uma “baba” para ficar revisando o trabalho daquele profissional que no momento ainda não atingiu o grau de maturidade para executar suas tarefas e isso fará com que o processo seja muito mais exaustivo, e ainda, em alguns casos, a vaga surgiu através da saída de outro profissional já qualificado, tendo para isso, que deslocar um funcionário que já tem outras cargas de responsabilidades diferentes daquelas, mas que já passou por aquele cargo, para realizar o treinamento e revisar os seus trabalhos.

Aqui se encaixa uma comparação com uma estratégia de venda onde algumas empresas grandes ou pequenas assumem o risco por seus clientes, como garantia de cinco anos na aquisição de um veiculo novo no mercado e períodos de teste de uso, onde, caso o cliente não goste do produto, poderá devolver sem qualquer multa e outras despesas, tendo o seu reembolso total, sem complicações desnecessárias. Que tal utilizar uma estratégia semelhante com a empresa na qual trabalha?

Além de fazer a mais do que o cliente (a empresa que o contrata) espera, busque aprender atividades de outras funções que estão muito acima do que é de sua “obrigação”, então, se ofereça para ajudar, exponha para o seu superior o seu desejo de aprender mais sobre aquele cargo e se mostre disposto a adequar suas atividades para assumir mais responsabilidades, e por que não, ficar um pouco além do seu horário a fim de ter mais tempo para adquirir aquele conhecimento, para isso, alinhe com a empresa para que ela não fique com receio de estar criando uma brecha para ações trabalhistas no futuro. Com isso, quem assume o risco em relação a uma promoção totalmente incerta é você mesmo. Quando for a hora, a empresa irá promovê-lo com muito menos risco e mais certeza de retorno em curto prazo, pois, com essa atitude, sua curva de aprendizado será muito menor e a percepção de valor que a empresa terá sobre você será muito maior.

Para muitos, isso infelizmente é uma mudança de paradigma muito brusca e o funcionário que assume essa postura tem muito a ganhar, mesmo que não receba a tão esperada promoção, pois ele estará aprendendo na prática, se preparando para responsabilidades muito maiores e isso nenhuma universidade pode oferecer. Então, se você como funcionário de deparar com uma empresa oportunista, que vê a sua atitude como um meio de obter muito mais resultados por muito menos, que irá inclusive tirar todas as atividades originalmente atribuídas a você para que você “assuma” o novo papel na empresa, sem a intensão de lhe promover, o famoso “ser sem ser”, você terá um poder de negociação muito maior com essa empresa, pois ela saberá que lá fora, nas outras empresas você encontrara o retorno esperado, e você também terá muito mais confiança para buscar novas recolocações em empresas maiores e mais sérias.


Compartilhe esse conteúdo!

hashtags do post

Olá! Deixe seu comentário!

Conte-nos o que você achou desse conteúdo?

+ Relacionados

Veja alguns conteúdos que também podem lhe interessar.

+ Populares

Veja os conteúdos mais populares do Hora de Empreender.